A Fitorremediação no Biomonitoramento do ecossistema aquático

A Fitorremediação no Biomonitoramento do ecossistema aquático

O desenvolvimento dos grandes centros urbanos nas últimas décadas é um dos principais causadores do aumento da poluição dos recursos naturais; tais alterações são refletidas em todos os ecossistemas. Por esse motivo, o Biomonitoramento pode ser de extrema relevância.

O Biomonitoramento é um processo que utiliza organismos vivos para o controle da qualidade do meio. Além de ser um processo com baixo custo, apresenta um resultado mais eficiente e mais rápido do que as tradicionais análises físico-químicas.

Para determinar o “status” do ambiente de água doce, os macroinvertebrados bentônicos são os bioindicadores mais utilizados, uma vez que são extremamente sensíveis às alterações do meio; assim, eles podem detectar, por exemplo, o enriquecimento orgânico e o desequilíbrio na cadeia alimentar. Além disso, esses organismos ainda são os mais indicados para tal função já que possuem alguns fatores, como curto ciclo de vida em relação aos peixes, o que faz com que as alterações do ambiente reflitam mais rapidamente por meio das mudanças em suas populações; fácil observação, já que encontram-se entre 0,5-12 cm, tornando o dificultoso uso do microscópio dispensável; e, por último, o sedentarismo como principal comportamento dessas populações, o que permite resultados mais exatos da área observada.

Esses organismo são classificados em três grupos:

  • Os sensíveis, que vivem em águas limpas, com altas quantidades de oxigênio;
  • Os tolerantes, que habitam, preferencialmente, ambientes de água limpa, mas, mesmo assim, aguentam o início do processo de poluição;
  • E os resistentes, que sobrevivem em locais muito poluídos, com baixíssimas quantidades de oxigênio.

O Biomonitoramento desses sistemas consiste em quantificar o número de indivíduos desses grupos, ou seja, quando os sensíveis e tolerantes forem encontrados em grande quantidade, o corpo de água em questão estará em equilíbrio; porém, quando o número de indivíduos resistentes for superior aos demais, isso pode ser um sinal de que o ambiente está em desequilíbrio e necessita de uma reparação.

Ante a tal realidade, a Fitorremediação é uma forma de minimizar os impactos causados pela poluição. O método, que atualmente vem sendo muito utilizado para a descontaminação de ecossistemas poluídos, além de ser economicamente viável – por apresentar um baixo custo -, também é extremamente eficaz. A técnica consiste na utilização de plantas que crescem em ambientes contaminados, absorvendo e acumulando em suas estruturas altíssimas concentrações de poluentes e contaminantes de um determinado meio (tal como solo, água ou ar), visando a reparação dos danos do meio ao atingir níveis de riscos aceitáveis para organismos, como os seres humanos.

Desse modo, a união do Biomonitoramento com o método de Fitorremediação, além de controlar a qualidade da água, quando necessário, também pode remediar mais agilmente o meio.

Pensando nesse assunto, a Inova Jr. está preparada para atender quaisquer dúvidas mais específicas sobre a Fitorremediação em ambientes aquáticos e prestar consultorias na área. Visamos sempre compartilhar conhecimento e auxiliar na redução de danos ambientais ao nosso planeta. Entre em contato!

Deixe uma resposta