Aprenda a identificar a causa raiz dos seus problemas!

Aprenda a identificar a causa raiz dos seus problemas!

O diagrama de relações é uma ferramenta utilizada para encontrar a causa raiz de um problema, bem como tantas outras mais conhecidas usamos ele quando nos deparamos com um problema e buscamos sua causa, mas o que o torna diferente? Qual a razão de se tratar de uma ferramenta tão especial? Este texto busca explicar isso em duas partes, primeiro explanando a ferramenta e como utilizá-la e depois trazendo o “algo a mais” que ela pode proporcionar para a sua empresa mostrando a experiência da Inova Jr com a técnica.

O diagrama é utilizado quando o problema não é de simples entendimento, ou seja, não conseguimos traçar um passo a passo lógico para sua resolução de forma linear, existem diversos fatores que influenciam seu acontecimento e simplifica-los não é uma opção, precisamos analisar todas as interações que compõem o problema, esse é o ponto onde a ferramenta entra, interação é a chave para a utilização do diagrama de relações.

Mas como construir esse diagrama? Existe um passo a passo lógico para isso, que segue aqui listado:

O problema: primeiramente defina seu problema, esse é o ponto de partida para qualquer análise.

Os fatores: esse é o momento onde devemos pensar em todos os fatores que estão ligados ao problema, tudo aquilo que de certa forma rodeia a questão, mesmo que possa parecer uma algo simples e sem importância coloque-o nessa lista pois ele pode se mostrar bem mais importante posteriormente.

A priorização: precisamos priorizar os fatores listados, por mais beneficente que possa parecer analisar tudo de uma vez o diagrama de relações é algo demorado de ser feito, muitas análises acabam por deixa-lo extenso o suficiente para ser evitado. Faça uma priorização, seja por votação ou pela utilização de outra ferramenta como uma matriz GUT, escolha os fatores críticos e siga em frente. Não existe um número ideal, mas minha sugestão seria de algo entre 5 e 15, sendo esses 15 fatores já um número que demandam um tempo considerável de execução.

A exposição visual: coloque os fatores escolhidos em algum lugar visível ao grupo, um quadro, uma cartolina, no chão, enfim, deixe-os em destaque.

A hora de diversão: enfim chegamos a real construção, pegue um dos fatores como base, depois selecione outro e pergunte: Existe alguma influência entre esses fatores? Seja de um influenciando o outro ou vice-versa, caso a resposta seja positiva desenhe uma seta que sai daquele que influencia e chega no afetado, em seguida mantenha aquele primeiro fator escolhido (o base) e selecione outro fator para ser analisado da mesma forma, repita a pergunta e siga em frente, isso deve ser feito até que todos os fatores tenham sido o “base” e analisados com os outros.

A causa raiz: depois do passo anterior olhe para os fatores e veja aquele que possui mais setas saindo e afetando os outros, ele será a causa raiz para o problema escolhido no primeiro passo.

Pronto, seu diagrama de relações está concluído, e lembre-se sempre que ferramentas como essa existem para auxilia-lo em situações específicas, se acha que ele pode se encaixar melhor a sua realidade sofrendo algumas modificações não há problema, faça aquilo que lhe convém a ferramenta está aqui para ajudar.

E o que de especial podemos fazer com o diagrama de relações em uma empresa júnior?

A resposta vem com a experiência que tivemos na Inova Jr, primeiramente sua aplicação foi utilizada para encontrar os pontos críticos (ou causas) para os problemas da Inova, e aí está algo interessante, como foi dito anteriormente ferramentas devem ser moldadas para a realidade necessária e foi o que fizemos, pulamos a primeira etapa de escolher um problema mas na hora de listar os fatores optamos por uma análise SWOT, assim conseguimos listar tudo aquilo que afeta a empresa tanto internamente quanto externamente já que a análise foi realizada separadamente por cada área. Bem, após a priorização dos fatores, onde utilizamos a matriz GUT, tínhamos os fatores principais para a Inova como um todo, e o resultado do diagrama de relações nos disse onde estavam os fatores que mais influenciam a empresa, seja como possível causa de um problema ou como algo a ser prevenido.

Além dessa experiência incrível deixamos mais um depoimento de como essa ferramenta foi útil, a aceitação em sua construção por toda a empresa nos levou a analisar todos os fatores em conjunto, isso gerou discussões a respeito do funcionamento das áreas e como elas atuam, a comunicação interna que a ferramenta nos proporcionou foi de extrema valia já que, a partir desse ponto, todos sabiam quais problemas suas áreas enfrentavam, onde poderiam atuar e como as outras áreas também possuíam problemas que os afetavam direta ou indiretamente. Esse talvez tenha sido o maior ganho com a utilização do diagrama de relações, um efeito colateral inesperado e extremamente bem vindo.

Para concluir, o diagrama de relações não está entre as ferramentas mais difundidas no meio profissional atualmente, mas sua utilização de maneira adequada ao cenário desejado sem dúvidas traz benefícios quanto a encontrar a causa raiz de um problema, em uma empresa júnior seus resultados são expressivos também no quesito comunicação e sua utilização muito flexível as diversas necessidades encontradas

Este post tem um comentário

  1. Robert

    Gostei muito do conteúdo de qualidade, parabens !

Deixe uma resposta